Curiosidades
08.nov.2018
Tamanho da Fonte: A- | A | A+

Quando contratar um síndico profissional?

Saiba em que momento contar com serviços terceirizados

Imagem Quando contratar um síndico profissional?
Logo Copiar Blog Notícia

Todo condomínio precisa ter uma pessoa responsável para administrar e gerenciar as tarefas do dia a dia do prédio e esse papel é do síndico. E para gerir todas as responsabilidades sem deixar nenhum dever de lado, recomenda-se que este profissional tenha planejamento e um cronograma de metas.

Um dos maiores desafios de um síndico é zelar pelo bem-estar dos moradores e administrar as contas do prédio. Por isso, exige-se atenção, paciência, disposição e muito jogo de cintura para lidar com alguns conflitos.

Com a vida cada vez mais corrida que as pessoas levam, muitos não têm interesse ou falta tempo para assumir compromisso de ser síndico. Ou também não querem ter essa responsabilidade para evitar atritos com vizinhos.

Com todos esses motivos, os condomínios na Grande São Paulo estão optando por contratar um síndico profissional. Segundo o Sindicato da Habitação - Secovi, a cidade de Paulo possui cerca de 40 mil condomínios e essa expansão do mercado imobiliário gerou um crescimento considerável na procura por síndicos profissionais.

De acordo com a advogada Viviana Callegari, especialista em direito imobiliário do escritório Posocco & Associados Advogados e Consultores, o síndico profissional é mais indicado em caso de condomínios com elevado número de condôminos ou, ainda, condomínios comerciais.

E para o advogado Alexandre Berthe Pinto, o síndico profissional é aconselhável nos condomínios em há conflitos tradicionais entre moradores, que precisam de reformas constantes.

Já no caso de colocar o morador como síndico, a advogada do escritório Posocco & Associados diz que é indicado em caso de condomínios menores e mais simples. "Deve-se levar em consideração a responsabilidade, comprometimento e imparcialidade do síndico morador na tomada de decisões e providências em benefício do coletivo", completa Viviana Callegari.

Ao contratar um síndico de fora, Berthe orienta pesquisar bastante sobre o profissional que será contratado. "É importante verificar a qualificação do síndico, sua forma de atuação, conversar com condôminos de condomínios que é administrado por esse profissional e analisar o contrato de prestação de serviço."

De acordo com Berthe, a faixa salarial é extremamente variável e depende da complexidade do condomínio, como por exemplo, se é residencial ou comercial. "Mas certamente é muito maior que a isenção da taxa condominial paga ao síndico morador."

Por isso, é preciso analisar a situação do prédio e escolher a opção que mais se enquadra no perfil do condomínio com o melhor custo x benefício. E lembre-se sempre que síndico desempenha um papel importante no dia a dia de um condomínio.

Fonte:
ZO Imóvel
O Portal de Imóvel da Zona Oeste de São Paulo
www.zoimovel.com.br/
Equipe de Jornalismo
Grupo de Portais Imobiliários
SP Imóvel
< Post Anterior
Conheça as vantagens do seguro fiança?
Próximo Post >
Qual a diferença entre SFH e SFI?